Icone informações
Quero agendar
uma consulta
Icone informações
Quero mais
informações
Sobre o que você deseja saber?
Preencha os dados abaixo, selecione o assunto de interesse e receba informações exclusivas!

Banco de Sêmen: Tire suas Dúvidas Sobre Doar Esperma

Banco de Sêmen: Tire suas Dúvidas Sobre Doar Esperma

Postado em: 11 de fevereiro de 2020

Um banco de sêmen pode ser a solução para casais que desejam engravidar, mas que não conseguem por métodos naturais principalmente quando existe uma alteração grave na qualidade do sêmen do parceiro ou ainda nos casos de casais homoafetivos ou para mulheres que desejam um filho através de uma “produção independente”.   O banco de sêmen […]

Um banco de sêmen pode ser a solução para casais que desejam engravidar, mas que não conseguem por métodos naturais principalmente quando existe uma alteração grave na qualidade do sêmen do parceiro ou ainda nos casos de casais homoafetivos ou para mulheres que desejam um filho através de uma “produção independente”.  

O banco de sêmen também é utilizados para homens que desejam congelar sêmen principalmente nos casos de algum tipo de câncer que acomete homens muito jovens. 

Isso porque os avanços da medicina e as mudanças na legislação agora permitem que a concepção de uma criança seja possível, mesmo nessas condições. Além disso, o banco de sêmen, é fundamental para os métodos de reprodução assistida e FIV.

Mas há muito mais coisas envolvidas no processo que apenas doar esperma ao banco ou escolher o doador mais adequado. Por isso, esse é um assunto que ainda pode gerar muitas dúvidas sobre como proceder.

Quem procura pelo banco de sêmen, a fim de encontrar um doador compatível, tem que fazer um cadastro fornecendo todas as informações que gostariam que esse doador tivesse. Ou seja, características preferidas como etnia, idade, cor de cabelo, olhos, peso, altura, tipagem sanguínea, profissão e hobbies.

Em seguida, o casal escolhe o seu doador com essas possíveis características em um catálogo. Os doadores, por outro lado, também passam por exames criteriosos de avaliação e são rigorosamente testados contra doenças genéticas e transmissíveis. 

É bom lembrar que o acesso ao esperma doado é obtido apenas através de clínicas e médicos especializados em inseminação artificial ou FIV, ambos ligados ao banco de sêmen, não sendo possível a compra particular no banco de sêmen.

Quer saber mais sobre como um banco de sêmen funciona e como escolher um doador compatível com as características que você deseja? Então, continue lendo o artigo abaixo!

O que é um banco de sêmen?

O banco de sêmen é uma instituição responsável pela coleta, processamento e armazenamento de esperma humano

O banco de sêmen é uma instituição responsável pela coleta, processamento e armazenamento de esperma humano.

O banco de sêmen é uma instituição responsável pela coleta, processamento e armazenamento de esperma humano, com o objetivo de auxiliar casais com dificuldades de engravidar naturalmente, seja por problemas de infertilidade, doenças, idade avançada, falta de parceiro ou por serem do mesmo sexo. 

É uma excelente alternativa para conseguir gerar uma criança no ventre de uma mulher quando é o homem que possui problemas na produção ou qualidade de seus espermatozoides.

Nesse sentido, o banco de sêmen possibilita o armazenamento do esperma para uso futuro, no caso de homens que serão submetidos a algum procedimento cirúrgico, estão em tratamento de câncer ou simplesmente desejam ter um filho mais tarde na vida. 

No caso de homens em tratamento contra o câncer, as sessões de quimioterapia costumam prejudicar a fertilidade, podendo não voltar ao normal. Sendo assim, o armazenamento dos espermatozóides em um banco do sêmen possibilita uma gestação futuramente.

Além disso, o banco de sêmen auxilia também nas gestações de casais de mulheres homossexuais quando não há parceiros do sexo masculino.

Como funciona um banco de sêmen

Já sabemos que o banco de sêmen é um local que armazena esperma humano, a fim de ajudar casais a realizar o sonho de ter um filho, seja qual for o motivo. 

Embora existissem poucos bancos de sêmen em todo o mundo, esse número vem aumentando, podendo até ser encontrados com facilidade em diversas localidades e inclusive pela internet, como o banco de sêmen on-line. 

Porém, cada um possui suas regras e procedimentos e está sujeito à legislação de seu respectivo país, podendo variar entre o total anonimato do doador ou até permitir que o doador e os casais tenham algum contato. 

No caso do Brasil o ato de doar sêmen  é voluntário, portanto não é cobrado valor algum em troca ou para sua realização. 

A legislação brasileira não permite a venda de sêmen de forma independente, sem ser através de um banco de sêmen e o anonimato é uma regra, ao contrário dos EUA onde a comercialização é liberada. Dessa forma, os casais que procuram pelo banco de sêmen não têm acesso à identidade civil do doador e vice-versa. 

Sendo assim, a escolha do sêmen é baseada em algumas características dos doadores, como a ficha médica dele, altura, cor dos olhos, dos cabelos, da pele, altura, tipo de sangue, qualificações profissionais, hobbies, entre outros. 

Toda essa informação é fornecida às clínicas de reprodução humana através de um catálogo para que os casais possam escolher o seu doador. Já os doadores são selecionados segundo critérios como idade superior a 18 anos e inferior a 50 anos, integridade física e mental comprovada, fertilidade reconhecida, além de ser testado para comprovar estar livre de doenças sexualmente transmissíveis.

O anonimato serve para garantir que a criança não sofra futuramente com transtornos familiares, comparando o “pai biológico” com o de criação e nem tenha informações para buscá-lo no futuro.

Quanto às amostras de esperma armazenadas, elas não possuem período de validade e podem ficar no banco de sêmen por tempo indeterminado, seja ele pra doação ou para uso próprio futuramente. 

A legislação brasileira permite hoje a importação de sêmen de outros países desde que sejam proveniente de bancos de sêmen qualificados e sempre através de uma clínica de reprodução assistida. 

Os resultados após tratamento são acompanhados pelo médico especialista de sua confiança, podendo obter sucesso na primeira implantação ou ser necessárias algumas tentativas.

Quem pode ser doador de esperma?

Não é qualquer pessoa que pode ser um doador ao banco de sêmen.

Não é qualquer pessoa que pode ser um doador ao banco de sêmen.

No Brasil, existe uma resolução (CFM 2168) para reger as regras da doação, que define quem pode ser um doador. Neste caso, é preciso que o homem seja saudável, não seja portador de infecções sexualmente transmissíveis (DSTs), não possuir doenças congênitas ou genéticas, além de ter disponibilidade para comparecer à instituição para realizar todos os exames e fazer as coletas. 

Além disso, como já mencionamos acima, o doador só pode doar esperma se tiver entre 18 e 50 anos. Em troca, o doador recebe o resultado de todos seus exames, como espermograma completo, exames sorológicos, espermocultura, cariótipo e exame de tipagem sanguínea, além de acompanhamento de um urologista.

O banco de sêmen também oferece serviços de preparação de sêmen para processo de fertilização, congelamento de sêmen para uso futuro, realização de exame de espermograma completo, além de um programa de doação voluntária e fornecimento de sêmen de doador voluntário para reprodução assistida.

Como um doador é selecionado?

Escolher um doador de esperma para realizar o sonho de engravidar é uma decisão difícil e muito importante, sendo que cada pessoa costuma apresentar seus próprios anseios e expectativas para realizar este desejo. 

Para começo de conversa, não são todos os homens que possuem os requisitos necessários para se enquadrar no perfil de doador ou passam em todos os testes rigorosos que precisam ser feitos.

Essa seleção minuciosa é essencial para garantir a segurança contra os riscos de transmissão inadvertida de doenças infecciosas ou genéticas. Assim, todos os doadores são submetidos a uma extensa bateria de exames e testes genéticos, para que os resultados sejam analisados por especialistas em genética. 

Desse modo, para assegurar ainda mais a segurança da paciente e criança e eliminar todos os riscos de doenças infecciosas, o sêmen do doador que será usado deve ser congelado. 

Somente após as amostras de esperma passarem por um período de quarentena e o doador for totalmente re-testado vários meses depois da coleta do esperma é que o procedimento de implantação ou fertilização in vitro é iniciado.

Isso porque o esperma fresco sempre carrega um risco de o doador ter sido exposto recentemente ao HIV ou outras doenças, podendo não apresentar anormalidades nos testes de laboratório de imediato.

Já em relação à doenças genéticas, sabemos que o risco de transmissão nunca é 100% excluído, mas ao tomar todas essas providências, diminui-se bastante esse fator de risco do doador.

Quem pode usufruir de um banco de sêmen?

Como dissemos, o banco de sêmen pode ser utilizado para realizar procedimentos de reprodução assistida, como a fertilização in vitro (FIV) e a inseminação artificial. Dessa forma, as pessoas que podem recorrer ao banco de sêmen, são as seguintes:

  • Casais que estão tentando engravidar e têm problema grave na qualidade do sêmen do parceiro como por exemplo a presença  de azoospermia;
  • Mulheres que tenham a intenção de ser mães através de uma “produção independente” ;
  • Casais em união homoafetiva estável, considerados inférteis ou não.
  • Homens que por algum motivo necessitam adiar a fertilidade e precisam  armazenar sêmen como nos casos de tumores que acometem jovens. 

Quais os riscos e seus custos

O banco de sêmen não oferece riscos ao doador.

O banco de sêmen não oferece riscos ao doador.

Na verdade, o doador não corre risco algum durante nenhuma parte do procedimento. Já a receptora pode sofrer os riscos esperados decorrentes do método de reprodução assistida indicado. 

Porém, por conta de todos os recursos da medicina nos dias de hoje, esses riscos são muito baixos.

Já com relação aos custos, a grande popularidade dos tratamentos de infertilidade está fazendo com que eles fiquem cada vez menores. Mas é importante ressaltar que, embora a doação do esperma seja voluntária, as técnicas utilizadas para manipular o material não são.

Além disso, as taxas e valores totais vão depender exclusivamente do serviço contratado de cada banco de sêmen, assim como a forma de procedimento e coleta de cada clínica escolhida. 

Como a herança genética do doador contribui para a formação do feto

Existem muitas controvérsias sobre a importância da herança genética do pai biológico ao determinar as características da futura criança. Cada óvulo e cada esperma contém apenas a metade dos genes dos respectivos pais. Portanto, a criança compartilha apenas metade dos genes da mãe e metade dos genes do pai (doador, em questão). 

Não há como determinar quais serão os atributos genéticos herdados por um indivíduo específico antes da concepção. Somente em casos especiais é que os testes genéticos em um embrião, feto ou criança podem fornecer informações úteis. 

No mais, é proibido por lei escolher geneticamente as características específicas de cada criança que irá nascer. 

Portanto, as crianças podem se parecer com seus pais até certo ponto e essa semelhança nunca é completa. O mesmo acontece com a ligação genética para os irmãos, que também envolve o compartilhamento de apenas metade dos próprios genes. 

Normalmente, os irmãos nunca são idênticos na maioria de suas características, mas podem se assemelhar uns aos outros mais do que duas pessoas sem relação familiar, escolhidas aleatoriamente.

Mas o quanto a herança genética pode ter influência em determinar quem a pessoa irá se tornar? 

Há quem defenda que o ambiente onde ela irá crescer e ser educada tem fortes influências, como fornecer uma boa alimentação, amor familiar, oportunidades de educação, vivências sociais, entre outros. Tudo isso é capaz de ajudar a criança a atingir seu pleno potencial. 

No entanto, existem muitas evidências de que esse potencial também é fortemente influenciado pela herança genética dos pais. Uma prova incontestável disso é constantemente apresentada em longos estudos de gêmeos idênticos, que foram separados na hora do nascimento e criados separadamente.

Nesses estudos, anos após a separação total dos irmãos, os gêmeos ainda conservavam enormes semelhanças em padrões de vida, realizações, inteligência e aparência até em idades muito avançada. 

Assim, concluímos que a genética tem uma grande influência em determinar quem somos e o que nos tornaremos no futuro. Tanto é que a maioria dos cientistas reconhecem que a inteligência, por exemplo, é determinada por herança em pelo menos 50% a 70%, sendo que características como a habilidade musical, talento artístico, aptidão atlética, entre outras, também são parcialmente genéticas.

Como escolher um bom doador

Sendo assim, é por este motivo que os casais que chegam a um banco de sêmen são encorajados a preencher uma ficha com todas as expectativas que esperam que o doador tenha, visto que a futura criança, possivelmente, irá herdar parte de tais atributos.

Por isso, a maioria recomenda que mesmo sabendo que há uma enorme variabilidade na herança de genes específicos de pais biológicos e não há garantias, é interessante considerar as qualidades do doador que gostaria de ver na futura criança. 

Embora não haja garantias de que uma determinada qualidade vai ser apresentada na criança, existe uma maior probabilidade de ocorrer.

Por esta razão, os doadores são cuidadosamente selecionados não só para excluir propensões a doenças e características negativas, mas também para incluir atributos positivos amplamente desejados por muitos pais. 

Por exemplo, um bom banco de sêmen deve excluir doadores com história ou evidência de abuso de álcool ou drogas, características comportamentais negativas, doença maníaco-depressiva ou esquizofrenia e limitações físicas potencialmente hereditários.

Da mesma forma, a seleção de doadores deve incluir informações detalhadas sobre os talentos, interesses, atributos e aparência dos nossos doadores, além de informações adicionais específicas mediante solicitação. 

Tudo isso para garantir que os casais possam escolher entre um número grande de doadores de esperma de alta qualidade.

Vale ressaltar também que, por mais que todos os doadores passem por essa seleção rigorosa, a grande maioria dos candidatos são também rejeitados. Isso porque inexplicavelmente, o esperma da maioria dos homens não congela bem. 

Embora o esperma fresco da maioria dos homens possa fertilizar facilmente um óvulo e gerar a gravidez, apenas uma pequena minoria consegue produzir esperma capazes de serem congelados, armazenados e descongelados antes da utilização, e ainda manter a viabilidade e vitalidade necessária para produzir gravidezes a uma taxa elevada.

Sendo assim, um doador de um bom banco de sêmen pode ser considerado um campeão e dificilmente irá produzir riscos à futura gravidez.