Bebê de Proveta: Custo, Riscos, Clínica

Uma proveta é um tubo de vidro graduado. Na verdade ela é utilizada para as medir volumes no laboratório. Apesar deste ser o nome amplamente usado para se referir à reprodução humana assistida, os embriões são fecundados, na verdade, em uma placa de Petri.
A reprodução humana ocorre de forma natural por meio da relação sexual entre um homem e uma mulher. Durante a prática, o homem libera no corpo feminino os seus espermatozoides, que deverão se unir ao óvulo. O óvulo é o gameta de reprodução feminino, enquanto o espermatozoide é o masculino.
Quando os espermatozoides são levados ao corpo da mulher, por meio da ejaculação, eles se deslocam pelo útero e tubas uterinas. Nas tubas, encontram, então, o óvulo, e o fecundam. A junção das duas células dá origem a um embrião, que se desloca para o útero e se prende à sua parede. Agarrado ao endométrio, o embrião passa a se desenvolver, e então iniciando à gravidez.
Há situações, no entanto, em que esse processo natural não consegue ser realizado. Como em casos em que o homem ou a mulher não produzem gametas. Nestes casos, é indicado que o casal se utilize de uma técnica de reprodução assistida.
Existem diversas técnicas de reprodução assistida disponíveis. As mais comuns, contudo, são a fertilização in vitro (FIV), a injeção intracitoplasmática do espermatozoide (ICSI) e a inseminação artificial (IIU). Dessas, as duas primeiras são as que dão origem a um, popularmente dito, bebê de proveta.
Resultado de imagem para in vitro fertilization

O que é um bebê de proveta?

Um bebê de proveta é aquele que se desenvolve por meio de um embrião criado em laboratório. Ao contrário do que o imaginário popular acredita, porém, o embrião é apenas criado e desenvolvido em uma placa de Petri. Após alguns dias de sua criação, ele é transferido para o útero feminino, e assim cresce como qualquer outro bebê.
A técnica de fertilização in vitro ou FIV, que normalmente dá origem ao bebê de proveta, foi criada pelos britânicos Robert Geoffrey Edwards (cientista) e Patrick Steptoe (médico). Em inglês, o nome popular da técnica é “test tube baby”, que em tradução literal quer dizer “bebê de tubo de ensaio”. Logo, “de proveta”.
O primeiro bebê gerado pela técnica nasceu em 1978, por meio de uma cesariana. O sucesso da pequena Louise Brown deu início a uma nova era na reprodução humana. Afinal, o método ofereceu às mulheres que não podiam engravidar, por diversos motivos, a chance de gerar um filho.
De forma geral, a técnica que dá origem ao bebê de proveta consiste na colheita do gameta feminino e masculino. Eles então são unidos em laboratório, e geram um embrião. Em seguida, o embrião é transferido para o útero feminino e se desenvolve. Continue acompanhando o texto! Logo explicaremos o passo a passo desse tipo de reprodução.

Quem foi o primeiro bebê de proveta do Brasil?

Anna Paula Caldeira foi o primeiro bebê nascido por meio da técnica de fertilização in vitro no Brasil. Com tratamento realizado em 1984, em São José dos Pinhais, no Paraná, sua mãe, Ilza Caldeira, foi a única bem sucedida no tratamento até então experimental, realizado também em outras cinco mulheres na cidade.
Como era uma novidade, o processo gerou grande curiosidade na mídia brasileira. Até os cinco anos da filha, por exemplo, era comum que Ilza recebesse ligações de jornalistas, que procuravam saber informações sobre a saúde da menina. Afinal, naquela época acreditava-se que o método de geração do embrião poderia prejudicar o bem-estar do bebê – o que não é verdade.

Indicações do método


São diversas as situações em que os métodos de FIV e por ICSI são indicados. De qualquer forma, é necessário destacar que eles podem ser ideais para o caso de infertilidade tanto feminina, quanto masculina. Afinal, em 30% dos casos, a dificuldade para engravidar ocorre por fatores femininos; em outros 30%, por fatores masculinos; nos 30% seguintes, devido a fatores de ambos os indivíduos. Nos 10% restantes, a causa da infertilidade é indeterminada.
Veja também: Qual a diferença entre ICSI e fertilização in vitro?
Dessa forma, a criação do bebê de proveta é indicada, por exemplo, quando o homem possui alterações no sêmen. Isso pode incluir a baixa concentração de espermatozoides, morfologia inadequada dos gametas, ou mesmo sua pouca mobilidade.
Outro uso para a fertilização ocorre quando o homem não possui espermatozoides no sêmen, ou quando possui obstrução para a saída do gameta. Uma vasectomia prévia também cria a possibilidade de uso do método, pois o espermatozoide deverá ser pinçado diretamente dos testículos masculinos.
Falando de questões femininas, a fertilização in vitro é indicada, por exemplo, para o caso de problemas nas tubas uterinas. Dilatações ou obstruções no órgão podem ser grandes problemas, pois é ali que o óvulo aguarda a chegada dos espermatozoides.
Mulheres que passaram por laqueadura; ou que sofrem de endometriose, ou baixa quantidade de óvulos, também são candidatas à essa técnica de reprodução. Assim como casais que têm histórico de doenças genéticas na família, ou mesmo os que têm infertilidade sem causa aparente.
Além disso, a criação de um bebê de proveta é indicada para quando outros tratamentos, como o coito programado ou a inseminação artificial, não obtém sucesso.

Passo a passo da fertilização in vitro

O primeiro passo para a realização da FIV é a consulta com o ginecologista. No consultório médico, o especialista poderá avaliar as causas da infertilidade do casal, e expor as opções de reprodução assistida.
Caso a fertilização seja a mais indicada, a mulher deverá passar por um processo de estimulação ovariana. Por cerca de 10 a 12 dias, ela irá fazer o uso de alguns hormônios, que vão promover a maturação dos óvulos e fazer com que ovários liberem mais de um gametas naquele mês.
Assim que liberados, por meio do uso do hormônio HCG, os óvulos serão puncionados do corpo feminino e levados ao laboratório. O processo de punção é realizado com anestesia, para diminuição do desconforto. A mulher permanece no ambulatório médico por cerca de 15 minutos.
Com os óvulos obtidos, faz-se a coleta dos espermatozoides masculinos. Geralmente, esse processo é feito por masturbação, mas os gametas também podem ser pinçados diretamente dos testículos, se necessário.
Espermatozoides e óvulo são então levados ao laboratório, e lá colocados juntos numa placa de cultivo. Em seguida, um dos espermatozoides fecundará o óvulo, dando origem a um zigoto e, posteriormente, ao embrião.
O embrião é então cultivado por três a cinco dias. Logo depois, ele é transferido para o útero da mulher. Esse procedimento também é feito no ambulatório, mas não requer sedação. O embrião deverá se instalar no útero, prendendo-se ao seu endométrio. Caso consiga fazê-lo, dará-se início à gestação, confirmada com um teste de gravidez cerca de uma semana depois.

Reprodução por ICSI


O processo de reprodução assistida por meio do ICSI (injeção intracitoplasmática de espermatozoides) é muito semelhante ao da fertilização in vitro. A  mulher também passa pela estimulação ovariana, e o óvulo e espermatozoides são colhidos. O que muda é o modo de fecundação entre os gametas.
Ao serem levados ao laboratório, os espermatozoides masculinos são analisados de forma detalhada. O mais saudável e adequado é selecionado, considerando sua capacidade móvel e morfologia. Em seguida, este espermatozoide selecionado é injetado no óvulo, por meio de uma micropipeta, bastante fina.
Assim que introduzido no óvulo, o espermatozoide o fecunda. O embrião é logo cultivado, e após alguns dias transferido para o útero feminino. Lá, também deverá se prender ao endométrio e se desenvolver.
Geralmente, a reprodução por ICSI é indicada para quando a infertilidade está ligada a fatores do homem. Como numa situação em que seus espermatozoides são produzidos em baixa quantidade, ou qualidade. Assim como para o caso de os vasos deferentes e uretra, que levam o espermatozoide para fora do corpo, estarem danificados.
Dificuldades masculinas na ereção ou ejaculação também podem tornar a técnica mais atraente. Numa situação em que poucos óvulos são colhidos, a opção também é a mais adequada, pois tem chance elevada de sucesso.

Bebê de proveta tem umbigo?

A dúvida parece estranha, mas existe. Afinal, muita gente tem a ideia de que os bebês de proveta são gerados e desenvolvidos em cápsulas em laboratório, como em desenhos animados.
No entanto, um bebê de proveta cresce como qualquer outro: na barriga da mãe, sendo nutrido por meio do cordão umbilical. Seu estágio laboratorial existe apenas na criação do embrião, que é logo transferido ao útero feminino.

Bebê de proveta: custo

O custo da realização das técnicas de FIV ou ICSI variam muito. Variam de acordo com a clínica que vai realizar o procedimento, a região do país e o número de tentativas necessárias para o sucesso da concepção. É preciso levar em conta, ainda, que os procedimentos incluem uma série de etapas, como a consulta médica, uso de medicamentos, fecundação dos gametas, acompanhamento médico e mais.
Considerando um preço médio, o processo de fertilização pode ter custo entre R$ 3 mil e R$ 14 mil. Já a reprodução por ICSI pode ter preços entre R$ 5 e R$ 16,5 mil.

Bebê de proveta: riscos

Desde 1978, quando o primeiro bebê de proveta nasceu, as técnicas de reprodução assistida avançaram muito. Logo, hoje esse tipo de método tem riscos muito menores dos que os que existiam na época da sua criação.
Ainda assim, é necessário considerar situações possíveis durante o processo de fertilização. A primeira delas é a chance da mulher desenvolver a chamada Síndrome de Hiperestimulação do Ovário (SHO). O problema pós-tratamento reprodutivo ocorre em 1 a cada 1 mil mulheres.
A SHO pode acontecer devido à estimulação ovariana do processo. Ela consiste no crescimento do número de folículos ovarianos em desenvolvimento e dos níveis de  estradiol no organismo feminino. Esses fatores levam ao extravasamento de líquido no abdômen. Os resultados incluem inchaço da região e náuseas e, em casos mais graves, falta de ar, coágulos de sangue, dor abdominal e desidratação.
Outro risco do uso de técnicas de reprodução assistida é o da gravidez gemelar. Ou seja, da concepção de gêmeos. Apenas 5% das mulheres que utilizam a fertilização tem gravidez de mais de um bebê de uma só vez.

Bebê de proveta: clínica

Resultado de imagem para assisted reproduction
De modo geral, um casal pode demorar até 12 meses para atingir a concepção natural. Afinal, por mês há apenas 20% de chance de gravidez, uma vez que a mulher precisa estar em período fértil para que ela aconteça. Após 1 ano de tentativas sem sucesso, porém, é indicado que o casal procure um médico. Isso porque podem haver fatores que estejam prejudicando a fertilidade.
Além de para casais com problemas de fertilidade, a inseminação artificial e a ICSI também podem ser a solução para casais homoafetivos, ou mesmo para quem deseja realizar a concepção individualmente.
Veja também: Infertilidade Masculina: Causas, Remédios e Tratamentos
No caso do casal homoafetivo masculino, é comum que um dos pais utilize seu espermatozoide, enquanto o óvulo utilizado será doado por uma anônima. No Brasil, a doação de gametas deve ser feita de forma anônima e voluntária. Para garantir que os gametas doados tenham características genéticas semelhantes às dos pais, o médico responsável pelo tratamento realiza a seleção. Com a ficha de cada doador em mãos, ele pode avaliar as características físicas de cada um.
Em seguida, o embrião gerado em laboratório será transferido para uma barriga solidária, que vai gerar o bebê. Parentes de até 4º grau de um dos indivíduos do casal podem ser barriga solidária para a gestação.
Já um casal homoafetivo feminino pode escolher utilizar ou não um óvulo doado, mas precisará de espermatozoides doados. As mulheres também podem optar ou não pela ajuda de uma barriga solidária.
Para a produção independente por uma mulher, ela pode contar com os espermatozoides doados. Enquanto isso, um homem vai necessitar da doação do óvulo e do auxílio de uma barriga solidária.
Se um destes casos é o seu, entre em contato com a Clínica GERA e marque uma conversa. Nossos especialistas estão prontos para te auxiliar no sonho da maternidade e paternidade.

Deixar uma resposta