Icone informações
Quero agendar
uma consulta
Icone informações
Quero mais
informações
Sobre o que você deseja saber?
Preencha os dados abaixo, selecione o assunto de interesse e receba informações exclusivas!

Congelamento de óvulos

Congelamento de óvulos

Postado em: 19 de agosto de 2019

Com o passar dos anos e o avanço da ciência, uma série de técnicas se consolida na reprodução assistida. É o caso do congelamento de óvulos, que vem sendo cada vez mais procurado. Congelar os óvulos significa coletá-los e armazená-los em uma câmara fria, para que eles sejam usados posteriormente. Por meio dessa técnica, a […]

Com o passar dos anos e o avanço da ciência, uma série de técnicas se consolida na reprodução assistida. É o caso do congelamento de óvulos, que vem sendo cada vez mais procurado.

Congelar os óvulos significa coletá-los e armazená-los em uma câmara fria, para que eles sejam usados posteriormente. Por meio dessa técnica, a mulher que não deseja ser mãe hoje ,cria a possibilidade de gerar um bebê mais tarde, quando decidir que é a hora certa.

A fertilidade feminina é algo que diminui com o passar dos anos. Até os 35 anos, as chances de gravidez são altas. A partir daí, os níveis hormonais passam a cair no organismo feminino, até que a paciente entra na menopausa.

Na menopausa, a mulher não libera óvulos. Ou seja, não pode mais engravidar de modo natural. A idade de menopausa varia, mas costuma ocorrer até os 50 anos.

Por que o congelamento de óvulos é uma boa opção?

 

congelamento óvulos: mulher segurando um relógio

O congelamento óvulos se tornou uma opção entre quem deseja uma gestação tardia, entre outros motivos.

Segundo dados de 2017, a proporção de mulheres que tiveram filhos na faixa dos 20 anos vem caindo nos últimos 20 anos. No mesmo ano, 35,1% dos partos no Brasil foram realizados em mulheres com mais de 30 anos de idade. 

Um dos principais motivos para o adiamento da maternidade é a busca pelo processo profissional. Conciliar o trabalho e filhos nem sempre é fácil, e muitas mulheres preferem solidificar a carreira antes de se tornarem mães.

Mas é claro que organismo feminino não esperará por esse sucesso para diminuir sua fertilidade. Para se ter uma ideia, estima-se que a mulher possui 500 mil óvulos disponíveis na sua primeira menstruação. Já aos 42 anos, esse número é de apenas 25 mil, bem menor e sujeito a má qualidade. Afinal de contas, os óvulos envelhecem, pois nasceram com a mulher. 

Mais velhos, os óvulos podem não ser saudáveis para a geração de um bebê. Os riscos de que o bebê tenha  Síndrome de Down, por exemplo, é de 1 caso para cada 100 em gravidezes de mulheres com 40 anos. Em pacientes de até 25 anos, essa ocorrência é de 1 para cada 1.250 mulheres.

Por isso, é necessário que a mulher se previna da sua queda de fertilidade, utilizando o congelamento de óvulos para garantir suas possibilidades de maternidade depois dos 35 anos. 

Algumas mulheres ainda podem enfrentar a chamada menopausa precoce. Neste caso, a paciente tem sua ovulação interrompida antes dos 40 anos. É importante visitar o ginecologista com frequência e avaliar se há risco dessa menopausa precoce acontecer. A realização de alguns exames periódicos indicará essas chances, sendo o congelamento dos gametas indicado pelo médico.

Quando congelar óvulos?

A principal razão pela procura do congelamento de óvulos é o desejo de maternidade tardia.

A principal razão pela procura do congelamento de óvulos é o desejo de maternidade tardia.

Sem dúvida, a principal razão pela procura do congelamento de óvulos é o desejo de maternidade tardia. Quando a mulher faz a coleta e congelamento dos seus óvulos, os gametas mantém a idade da sua retirada. Ou seja, se a coleta for feita aos 30 anos da paciente, eles terão ainda 30 anos quando forem utilizados. Mesmo que esse usa ocorre 5, 10 anos depois. 

Isso garante a saúde e a qualidade dos gametas, aumentando suas chances de sucesso para uma gestação futura. 

Visando a obtenção de óvulos saudáveis, é indicado fazer o recolhimento dos óvulos em idade entre 20 e 35 anos. Após esse período, as células ainda podem ser coletadas, mas sua qualidade será um pouco mais baixas.

Outro motivo para o congelamento dos gametas é participar de programas de doação de óvulos. A opção é interessante para ajudar mulheres que desejam ser mães, mas enfrentam problemas com sua maternidade. O banco de óvulos também pode funcionar para casais homoafetivos ou para homens que desejam ter filhos de modo independente.

Também é válido realizar a coleta em casos de quimioterapia, tanto da mulher, quanto do seu parceiro. A quimioterapia é um dos tipos de tratamento para cânceres e pode destruir uma série de células, prejudicando as fertilidades feminina e masculinas. Fazer o recolhimento do óvulo trará maior segurança da saúde das células, permitindo a gravidez posterior. 

No caso da quimioterapia do homem, é indicado realizar a fecundação do óvulo com os espermatozoides masculinos e fazer o congelamento do embrião. Ainda é possível fazer o congelamento dos espermatozoides, sem a necessidade de geração imediata de um embrião. Depois, será necessário utilizar a fertilização in vitro para gerar um embrião.

Passo a passo do congelamento de óvulos

congelamento de óvulos.: 5 passos

São cinco passos básicos a serem seguidos para o procedimento de congelamento de óvulos.

São cinco os passos básicos para a realização do congelamento de óvulos. A seguir, explicamos cada um deles. Na hora de realizar o processo, a paciente recebe informações e instruções ainda mais detalhadas, para garantir que o processo seja o mais bem sucedido possível.

1. Indução da ovulação

Por mês, a mulher normalmente libera apenas um óvulo. Mas para o processo de congelamento do gameta, é interessante que várias dessas células sejam coletadas. Afinal, o método tem custo considerável, e é importante congelar o maior número de gametas possível. Então, como fazer o corpo feminino liberar mais de um óvulo de uma só vez? Simples: pela indução da ovulação.

Para induzir a liberação de vários óvulos de uma só vez, a paciente passa por um tratamento hormonal. Esse tratamento consiste na aplicação de remédios injetáveis por cerca de 12 dias. Durante o período, é comum que as mulheres apresentem ansiedade, inchaço, dores de cabeça e mudanças de humor.

Para acompanhar o processo, o especialista em reprodução realiza exames de ultrassonografias e define a data da coleta dos gametas.

2. Coleta dos óvulos

Assim que a data de coleta dos óvulos é definida, a mulher utiliza outro remédio para liberá-los. Então, uma cirurgia com sedação localizada é realizada, coletando os óvulos por meio de uma grande agulha. O médico se localiza no interior do corpo feminino por meio de uma pequena câmera acoplada ao equipamento.

A coleta dos óvulos demora entre 15 e 30 minutos. Logo que a mulher se recupera da anestesia, recebe alta e pode voltar as suas atividades. Algumas pacientes sentem cólica por até dois dias.

3. Congelamento dos óvulos

Os óvulos coletados são levados ao laboratório e tem sua saúde analisada. Nem sempre todos os gametas podem ser congelados, pois apresentam má-formação ou outra característica que poderia prejudicar uma gestação. Eles permanecem em laboratório por cerca de duas horas, para uma maturação.

O passo seguinte consiste em mergulhar os gametas em uma substância congelante (o nitrogênio líquido a 196 graus negativos). O produto utilizado previne a formação de cristais de gelo no interior da célula, o que a inutilizaria.  Depois, eles são identificados e colocados em tanques.

4. Descongelamento dos gametas

Especialistas indicam que o melhor é fazer o descongelamento dos óvulos em até dez anos. Assim que a mulher decide engravidar, a célula é retirada do nitrogênio líquido e colocada para uso na técnica de reprodução assistida. Os óvulos não utilizados podem ser recongelados, mas ainda não há estudos sobre os efeitos desse recongelamento para a qualidade dos gametas.

5. Fertilização in vitro

A técnica utilizada para uma gestação com óvulos congelados é a fertilização in vitro. Para realizar a fertilização in vitro, o óvulo é descongelado e levado ao laboratório, junto a espermatozóides coletados. Lá, os gametas são unidos, e depois passam por cerca de 5 dias em maturação.

Na etapa seguinte, os embriões gerados  poderão ser analisados geneticamente se os pais desejarem , e os saudáveis são transferidos para o útero feminino. Então, o embrião precisa se agarrar à parede interna do órgão (o endométrio). Caso consiga realizar essa tarefa, a gestação é indiciada. 

Importante dizer que, normalmente, mais de um óvulo é descongelado. Assim, é possível gerar mais de um embrião e aumentar as chances de que ao menos um deles vingue. Ou seja, aumentar as chances de que a gestação ocorra. Os embriões pouco saudáveis serão descartados, e os saudáveis, mas não utilizados,,podem ser congelados, caso seja esse o desejo da mulher ou do casal.

Uma gestação por fertilização in vitro é idêntica à gestação gerada de modo natural. Por isso, requer os mesmos cuidados, com a saúde da mulher e do bebê, uma dieta rica em nutrientes e a realização do pré-natal completo. Basta manter a visita frequente ao obstetra.

Por questões biológicas, é indicado que a mulher engravide até os 50 anos de idade, inclusive se os óvulos utilizados estivessem congelados. Gametas congelados também podem ser uma opção para a maternidade/paternidade independente e por casais homoafetivos.

Se necessário, ainda é possível utilizar óvulos ou espermatozoides doados. A doação de gametas no Brasil só pode ser feita de modo anônimo.

Quanto custa congelar os óvulos?

Fazer o congelamento de óvulos tem preço variado, dependendo da saúde da mulher, cidade do País, número de óvulos recolhidos e mais. Para saber qual o custo do tratamento, é necessário entrar em contato com uma clínica especializada e realizar um orçamento. Entre em contato com a clínica GERA! Após uma avaliação completa, você poderá colocar os custos no orçamento e planejar a sua gravidez para o futuro.