Icone informações
Quero agendar
uma consulta
Icone informações
Quero mais
informações
Sobre o que você deseja saber?
Preencha os dados abaixo, selecione o assunto de interesse e receba informações exclusivas!

Fecundação Humana: Como Ocorre? Artigo Completo!

Fecundação Humana: Como Ocorre? Artigo Completo!

Postado em: 4 de dezembro de 2018

A fecundação humana é uma etapa fundamental para que a gravidez aconteça. É por meio dela que óvulo e espermatozoide se unem, dando origem a um embrião e, posteriormente, a um bebê. Conhecendo o óvulo O óvulo é o gameta feminino. Uma mulher nasce com todos os óvulos que serão liberados durante sua vida fértil. […]

A fecundação humana é uma etapa fundamental para que a gravidez aconteça. É por meio dela que óvulo e espermatozoide se unem, dando origem a um embrião e, posteriormente, a um bebê.

Conhecendo o óvulo

O óvulo é o gameta feminino. Uma mulher nasce com todos os óvulos que serão liberados durante sua vida fértil. Eles ficam armazenados nos ovários, na forma de folículos ovarianos.

Geralmente, uma mulher passa a ovular a partir dos seus 13 ou 14 anos. Nessa época, dá-se início à sua vida fértil, por meio da liberação mensal de um óvulo. O gameta nada mais é do que o resultado do amadurecimento de um folículo ovariano. Esse processo acontece por meio da ação de alguns hormônios no corpo feminino, como a progesterona e o estrogênio.

Uma mulher com ciclo menstrual regular tem um óvulo liberado a cada 28 dias. Esse intervalo, contudo, pode variar devido a uma série de fatores. Tanto do organismo, quanto externos. Considerando a data da menstruação, é comum que a ovulação ocorra 14 dias depois.

Após liberado, o gameta fica disponível por cerca de 72 horas. Caso não seja fecundado, ele é dissolvido pelo corpo e eliminado na menstruação seguinte. A menstruação também é composta pela descamação do endométrio, a camada interna do útero. A cada ciclo, o endométrio é espesso, de modo a permitir a fixação de um embrião. Quando não utilizado, ele é eliminado e renovado para o período seguinte.

Com a ovulação, o óvulo fica disponível na tuba uterina da mulher, aguardando a chegada de um espermatozoide. Esse intervalo de até 72 horas é chamado de período fértil. A concepção só pode ocorrer durante este período.

E os gametas masculinos?

Diferentemente da mulher, o homem não nasce com os seus espermatozoides pré-formados. Em  vez disso, as células são produzidas a partir do início do seu período fértil, que ocorre entre os 12 e 15 anos de idade.

Os espermatozoides levam em torno de 3 meses para ficarem prontos, no entanto, dentro dos testículos, existem diferentes focos de produção dos espermatozóides. Quando prontos, os gametas masculinos ficam armazenados no epidídimo e são liberados por meio da ejaculação. Quando uma relação sexual sem método contraceptivo ocorre, eles são liberados no corpo da mulher e podem buscar o óvulo disponível. Caso o encontrem, a fecundação humana é realizada, dando origem a um embrião. O embrião, então, precisa se deslocar até o útero e se prender à sua parede. Conseguindo fazê-lo, dá-se início à gravidez.

Fertilidade feminina e masculina

Agora que você já conhece os gametas femininos e masculinos, é importante destacar a fertilidade do homem e da mulher. Como já nasce com seus óvulos, a mulher tende a perder a sua capacidade fértil ao longo do tempo. Afinal de contas, com o passar dos anos, suas células reprodutoras envelhecem.

É por isso que a concepção se torna mais difícil a partir dos 35 anos. Já na menopausa, entre os 40 e 50 anos, a concepção natural deixa de ser uma possibilidade. Isso uma vez que há o declínio dos hormônios reprodutivos femininos, eliminando o processo de ovulação.

Por outro lado, os homens não sofrem desta infertilidade precoce. É comum que um indivíduo consiga produzir espermatozoides até a velhice. De qualquer modo, o esperma de homens mais velhos geralmente possui qualidade inferior. Ou seja, a concepção é possível, mas menos provável do que a de homens jovens.

Fecundação e gravidez

Com citado no início deste texto, a fecundação ocorre quando há o encontro entre o óvulo feminino e espermatozoide masculino. Para que isso aconteça, é necessário que a mulher esteja em seu período fértil, e que a relação sexual não conte com nenhum tipo de método contraceptivo.

Um ser humano conta com 46 cromossomos em sua composição genética. 23 deles vêm do pai, e 23 da mãe. Isso significa que um espermatozoide conta com 23 cromossomos, e o óvulo com outros 23. Essas sequências de DNA se unem, em pares, e dão início ao processo de multiplicação celular. Processo esse que permanece acontecendo até o fim da gestação, gerando cada estrutura do organismo da criança.

Quanto tempo demora a fecundação?

Para que a concepção ocorra, não é preciso, necessariamente, que a relação sexual aconteça durante o período fértil da mulher. Isso porque, um espermatozoide pode viver por até 72 horas no corpo feminino. Logo, relações 3 dias antes e 3 dias depois da data prevista de ovulação também podem permitir a fecundação. Por isso, é indicado ao casal que deseja engravidar a intensificação da prática durante os 7 dias deste intervalo (3 dias antes, data prevista de liberação do óvulo, e 3 dias depois).

Também é preciso destacar que não é possível definir com exatidão a data da ovulação. Tal como explicado, geralmente ela ocorre a cada 28 dias, mas isso pode variar, a não ser que seja feito um acompanhamento com ultrassom.

Resultado de imagem para fertilization

A fecundação humana ocorre assim que o espermatozoide encontra o óvulo e penetra sua membrana. Em seguida, a mórula (resultado da junção entre os gametas) é transportado até o útero, e deve se implantar na parede interna do óvulo. Quando consegue completar esse processo, o organismo feminino passa a produzir o hormônio hCG em grande quantidade.

O HCG é o hormônio que, quando aparece em grandes níveis, indica a gestação. Ele pode ser detectado na urina ou sangue da mulher, cerca de sete dias após a fecundação. O exame mais preciso é o de sangue, uma vez que o teste de farmácia é feito por meio da urina. No líquido, a concentração hormonal é menor e, após a fecundação, é necessário intervalo maior para que a substância seja detectada. Por esse motivo, não é tão incomum que um exame de farmácia dê negativo para  gravidez, enquanto o de sangue confirma a gestação.

Fecundação humana: sintomas

Existem alguns sintomas que indicam a fecundação. No entanto, eles são bastante sutis, e dificilmente as mulheres os percebem. A começar por um muco rosado até o 12º após a relação sexual. A cor diferente da secreção vaginal é resultado do pequeno sangramento gerado pela penetração do espermatozoide no óvulo.

Também é possível que a mulher perceba dor de cabeça leve, mas persistente, e cansaço e sonolência. Assim como seios inchados e doloridos e leve cólica abdominal após alguns dias do contato íntimo.

Os sintomas mais intensos da gravidez surgem a partir de 4 semanas depois da fecundação. Aqui, é possível citar o atraso da menstruação, enjoo matinal, variações de humor e tontura.

Etapas da fecundação

São seis as etapas da fecundação, que ocorrem de forma rápida e sucessiva. É por meio da completude correta de cada uma das fases que a concepção de um bebê saudável se inicia.

Para começar o processo, há a passagem do espermatozoide através da corona radiata do óvulo. Essa estrutura é uma camada externa da célula feminina. Ela produz sinais químicos que atraem os espermatozoides, algo que facilita o encontro entre os gametas do homem e mulher.

Em seguida, o espermatozoide penetra na zona pelúcida. Essa membrana é composta por uma grossa camada de glicoproteínas e células foliculares ovarianas, que protegem e nutrem o óvulo. Logo que um gameta masculino penetra a camada, ela passa por uma mudança instantânea, tornando-se impermeável e impedindo a entrada de outros espermatozoides.

Na fase seguinte, ocorre a fusão das membranas plasmáticas do óvulo e espermatozóides. Isso significa que as membranas se unem no local onde se encontraram, com a cabeça e a cauda do gameta masculino entrando no ovócito. Depois, há a segunda divisão meiótica e a condensação dos cromossomos maternos.

Então, o núcleo madura do ovócito evolui para um pronúcleo feminino. O núcleo do espermatozoide também aumenta, compondo o  pronúcleo masculino. Unidas, essas estruturas estabelecem uma estrutura geneticamente única, com informações de DNA vindas do pai e da mãe. A união e divisão de células geram um zigoto, que se desloca para o útero e fixa-se no endométrio.

Resultado de imagem para Etapas da fecundação

A fecundação humana por meio da reprodução assistida

Cada informação explicada até aqui diz respeito à reprodução natural, que ocorre por meio do contato íntimo. Contudo, há uma série de situações em que esse modo de fecundação não é possível. Como no caso de infertilidade do homem ou da mulher, ou do desejo de concepção por um casal homoafetivo. Para permitir essas gravidezes, então, a Medicina conta com algumas técnicas de reprodução assistida. Como a inseminação artificial, a fertilização in vitro e a ICSI.

De qualquer forma, é importante destacar que a fecundação por uma técnica de reprodução assistida ocorre do mesmo modo da natural, no que diz respeito à penetração do óvulo e a sua consequente divisão de células. O que muda é o modo de encontro entre os gametas, que é facilitado pelas técnicas. Acompanhe a seguir.

Inseminação Artificial ou Inseminação Intrauterina (IIU)

A inseminação artificial é indicada, principalmente, para situações em que o espermatozoide não consegue alcançar o óvulo.

Quando opta por essa opção, de acordo com a indicação médica, a mulher passa por um tratamento de indução da ovulação. Realizado por meio de medicamentos hormonais, esse tratamento instiga a ovulação, de modo que o óvulo fique disponível em uma data específica. Essa ovulação datada é possível por meio de uma injeção do hormônio hCG, após alguns dias de uso de outros medicamentos. O hCG é responsável por provocar a ovulação.

Com o óvulo liberado, os espermatozoides são recolhidos do homem. Esse recolhimento geralmente é feito por meio da masturbação, mas os gametas também podem ser pinçados diretamente dos testículos, se necessário.

No passo seguinte, os espermatozoides são depositados no fundo do útero da mulher. Isso diminui o caminho a ser percorrido até o óvulo, facilitando a fecundação humana.

Fertilização in vitro

Assim como na inseminação artificial, a mulher também passa pelo tratamento da indução da ovulação na fertilização in vitro. Neste caso, porém, a terapia busca liberar mais de um óvulo. Assim que disponíveis, os gametas são coletados e levados ao laboratório.

Os espermatozoides também são coletados, como na técnica anterior. Levados ao laboratório, eles são colocados junto a cada óvulo, fecundando-os. Após essa fecundação, os embriões gerados são amadurecidos, por cerca de cinco dias. Logo depois, um ou mais embriões são transferidos para o útero feminino. Lá, as células deverão se agarrar ao endométrio. Caso consigam fazê-lo, dá-se início à gestação.

ICSI

Um processo de ICSI (injeção intracitoplasmática de espermatozoides) é muito semelhante ao da fertilização in vitro. Em vez de ser colocado junto ao óvulo, porém, um espermatozoide é injetado no gameta feminino. Esse método é utilizado, normalmente, quando é necessário fazer a seleção de um gameta masculino saudável — que não possua alterações genéticas, defeitos morfológicos ou outros.

Ficou com alguma dúvida sobre a fecundação humana? Entre em contato conosco!