Teste de fertilidade masculina: É confiável? Como funciona?

Você já ouviu falar no teste de fertilidade masculina? O produto ainda é pouco comum mas, devido à sua praticidade, vem se popularizando desde 2016, quando a Anvisa autorizou a primeira venda no Brasil.

O objetivo de realização do teste masculino é muito semelhante ao do teste de ovulação feminina, mais comum: o de verificar a fertilidade dos indivíduos. O exame masculino, contudo, mostra apenas a concentração de espermatozoides no sêmen.

Por outro lado, um teste de ovulação funciona para verificar a liberação do óvulo pela mulher. Para isso, ele analisa a concentração do hormônio LH, por meio da urina feminina.

A substância é a responsável por induzir a liberação do óvulo, e por isso sua grande quantidade indica a ocorrência do período fértil feminino nos próximos dias.

Apenas quando libera seu óvulo a mulher está apta a engravidar. Logo, seu teste é mais limitado, pois deve ser feito apenas em datas próximas à ovulação prevista. O exame masculino, por outro lado, pode ser  feito quando o homem desejar.

No Brasil, existe apenas um autoteste autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Teste de fertilidade masculina: como funciona?

Um teste de fertilidade masculina faz a detecção da concentração de espermatozoides em uma amostra de esperma, como citado. Para isso, o produto utiliza um método de tira reagente.

Ela tem anticorpos fixados na membrana de teste que tem a capacidade de se ligar a uma proteína específica dos espermatozoide, e ao ocorrer essa ligação a reação muda de cor.

Essa mudança de cor estima o número de espermatozoides de acordo com a intensidade do pigmento da fita reagente, assim como num teste de gravidez.

Quando o teste é positivo, significa que existe uma concentração de espermatozoides está acima de 15 milhões por mililitro de sêmen, o que é considerado o limite mais baixo de normalidade. No caso de um resultado negativo, essa concentração é menor, e precisa ter as causas investigadas pelo médico.

Para realizar o exame, não é necessário que o homem fique em abstinência sexual por muito tempo. Assim como num espermograma tradicional, o fabricante do produto sugere que o teste seja feito em um período entre 48 horas e 7 dias desde a última ejaculação.

O sêmen, colhido por masturbação, deve ser depositado no frasco coletor que acompanha o exame. O frasco deve ser posicionado em uma superfície plana, e então mantido em repouso por 20 minutos. Em seguida, é necessário agitar o coletor circularmente por 10 vezes.

Com a seringa que a embalagem do teste também oferece, o homem deve coletar um pouco do sêmen do frasco, transferindo-o ao frasco diluente. O recipiente precisa ser bem tampado, e agitado com movimentos delicados. Logo depois, ele precisará ficar em repouso por 2 minutos.

No passo seguinte, o homem deve pingar duas gotas do sêmen na marca circular do dispositivo de teste. Mantenha o aparelho em uma superfície plana. Dez minutos depois, o resultado poderá ser verificado. Se duas linhas surgirem no visor, o resultado é positivo. Caso apenas uma apareça, ele é negativo.

Teste de fertilidade masculina é confiável?

Segundo as marcas fabricantes dos testes de fertilidade masculina, o recurso tem eficácia superior a 98%. Mais do que sua eficácia, contudo, sua principal vantagem é poder realizar a contagem dos espermatozoides no conforto e privacidade de casa.

Além disso, eles afirmam que o teste é indicado em duas situações: quando o casal resolve engravidar, fazendo o exame, o homem pode verificar sua capacidade fértil; ou o casal já vem sofrendo dificuldades para engravidar.

Embora este teste pareça ser revolucionário, é importante lembrar que o espermograma tradicional, ou também conhecido como análise seminal, não avalia somente a quantidade de espermatozoides por mililitro, como também, o volume total ejaculado, sua viscosidade, contagem total de espermatozoides e sua motilidade, morfologia e até vitalidade, todas características fundamentais para um diagnóstico efetivo e realista de infertilidade masculina.

É normal que a gravidez demore até 12 meses para ocorrer, pois há apenas 20% de chances de gravidez no mês. Afinal de contas, a mulher precisa estar em seu período fértil para que a fecundação do óvulo aconteça.

Após um ano de tentativas sem sucesso, porém, é necessário investigar a fertilidade no homem e na mulher, segundo a Organização Mundial da Saúde. Assim, o teste de farmácia pode servir somente como um resultado preliminar do que será verificado pelo espermograma pedido pelo médico.

Ainda vale lembrar também que o teste rápido não é 100% confiável. Dessa forma, mesmo que o teste de fertilidade masculina dê positivo, mas o casal ainda encontre dificuldades para engravidar nos meses seguintes, a visita ao consultório médico deve ser realizada.

Por ambos. O especialista, então, poderá verificar, no homem e na mulher, as causas da dificuldade de gestação, e então sugerir os tratamentos adequados.

Caso o resultado do teste de fertilidade masculina seja negativo, a procura pelo especialista deve ser feita imediatamente. Quanto antes os problemas de fertilidade forem tratados, mais facilmente o casal poderá realizar o desejo de serem pais.

Infertilidade masculina

espermatozóides em amostra de teste de fertilidade masculina
A infertilidade masculina pode ter várias causas, por isso é importante fazer primeiro um teste de fertilidade masculina.

São diversas as condições que podem levar à infertilidade masculina. Como a má qualidade dos espermatozoides, sua pouca mobilidade ou produção insuficiente.

Neste caso, o médico acaba por solicitar a realização de um espermograma. Para o diagnóstico de outros problemas também podem ser utilizados, por exemplo, exames de imagem.

Conheça as causas mais comuns da infertilidade masculina logo abaixo!

Varicocele

A varicocele é uma condição dos vasos sanguíneos testiculares que aumenta a temperatura dos testículos, órgãos responsáveis pela produção dos espermatozoides, assim como dificulta a chegada de nutrientes e a retirada dos restos celulares.

Logo, a produção dos gametas masculinos pode ser diretamente afetada. O problema ocorre quando varizes surgem nos testículos, mais exatamente no cordão espermático, formado pelo epidídimo e os tecidos que vão do abdômen até o testículo.

Obstrução dos ductos deferentes

Para que seja levado dos testículos para fora do corpo, pela ejaculação, o espermatozoide passa pelo chamado ducto deferente. Caso ocorram problemas nessa estrutura, como sua obstrução física, ou mesmo inexistência, a fertilidade do homem fica grandemente comprometida. As causas de qualquer defeito podem ser  infecções, ferimentos ou problemas congênitos.

Processos infecciosos

Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST’s) como a tricomoníase, clamídia, neisseria e ureaplasma podem ser as causas de problemas de fertilidade. Assim como a inflamação dos testículos, o que prejudicaria a produção dos espermatozoides.

Exposição a toxinas

Drogas e medicamentos também podem ser fatores causais de dificuldades. A maconha, por exemplo, afeta a motilidade dos gametas masculinos.

Enquanto isso, o álcool compromete a qualidade geral do sêmen, e a cocaína compromete a produção dos espermatozoides. Até mesmo anabolizantes, muito utilizados pelos apaixonados pela academia, pode bloquear a produção do gameta masculino.

Alguns remédios também podem interferir no sistema reprodutor do homem. Por isso, o consumo de qualquer tipo de substância deve ser informada ao médico no momento da investigação da infecundidade.

Alterações hormonais

Todo o processo de produção de espermatozoides é regulado pelo sistema hormonal. Logo, se apresentar problemas, o sistema pode prejudicar a fertilidade do homem.

Entre os principais hormônios, e que podem ser repostos pela orientação médica, há o FSH (Hormônio Folículo Estimulante) e o LH (Hormônio Luteinizante).

Fatores genéticos

Uma série de alterações cromossômicas pode favorecer a produção de espermatozoides danificados e pouco férteis. Em outros casos, fatores genéticos pode causar a azoospermia, ou seja, a inexistência de gametas no sêmen ejaculado.

Já na oligozoospermia, o que ocorre é a contagem de espermatozoides inferior a 20 milhões por mililitro de sêmen.

Infertilidade idiopática

Finalmente, na infertilidade idiopática, as causas dos problemas no sistema reprodutor do homem não podem ser diagnosticadas.

Veja também: Infertilidade feminina: 9 causas da perda da fertilidade da mulher

Tratamentos para a infertilidade masculina

casala em consultório para discutir resultado de teste de fertilidade masculina
Há algumas opções de tratamento, caso o testes de fertilidade masculina não seja positivo.

Para cada causa de infertilidade, tratamentos diferentes serão indicados pelo médico. Muitas vezes, é possível eliminar o problema, permitindo a gravidez natural.

Em outras situações, é sugerido o uso de técnica de reprodução assistida, que facilitará o alcance da gestação. Acompanhe 6 modos comuns de tratamento:

1. Medicamentos

Processos infecciosos, por exemplo, podem ser tratados com o uso de antibióticos. O uso de medicamentos é o meio menos invasivo de terapia, e muitas vezes suficiente para a cura da condição impeditiva.

2. Tratamento hormonal

Quando o homem não produz espermatozoides suficientes, a causa pode ser hormonal. Por isso, o médico indica a reposição de hormônios ao corpo.

Assim que balanceados, os níveis hormonais poderão normalizar a fabricação dos gametas. Habitualmente, a terapia dura 3 meses, período completo para a de produção de novos espermatozoides.

3. Cirurgias

De modo geral, a cirurgia é realizada em situações em que o tratamento hormonal ou medicamentoso não fazem efeito. Afinal de contas, a terapia é mais invasiva, e por isso evitada o máximo possível pelo médico.

Uma condição muitas vezes resolvida pelo método é a varicocele, em que a operação interrompe o fluxo sanguíneo que alimenta as varizes testiculares.

Logo, as veias param de inchar e prejudicar a produção de gametas. Problemas nos ductos deferentes também são eliminados com procedimentos cirúrgicos.

4. Inseminação artificial

A inseminação artificial é o primeiro método de reprodução assistida indicado em casos de infertilidade masculina. Ela funciona bem, por exemplo, quando os espermatozoides possuem pouca mobilidade.

Isso porque, os gametas são coletados e inseridos ao fundo do útero da mulher, diminuindo o caminho que deveria ser percorrido da vagina até a tuba uterina.

Mais próximo do óvulo, o espermatozoide encontra maior facilidade em fecundá-lo. Para garantir que o óvulo esteja disponível no momento do procedimento, a mulher passa por processo de indução da ovulação.

5. Fertilização in vitro

A fertilização in vitro também é realizada com o auxílio da indução da ovulação. Nesse caso, porém, o óvulo é coletado, e levado ao laboratório junto aos espermatozoides.

Em seguida, os gametas são unidos, e então geram um embrião. Esse embrião é desenvolvido por aproximadamente cinco dias, e logo depois transferido para o útero da mulher. Caso consiga se prender à parede do órgão, dará-se início à gestação.

Essa solução é indicada, por exemplo, para casos de problemas nos ductos deferentes. Assim como para situações de baixa concentração de espermatozoides no sêmen, e outras.

6. ICSI

O processo de ICSI (injeção intracitoplasmática de espermatozoides) é muito semelhante ao da fertilização in vitro. Aqui, porém, no laboratório um único espermatozoide é injetado no óvulo, por meio de uma microagulha.

A técnica permite a seleção do gameta masculino mais saudável, e por isso é a mais utilizada em casos de alterações genéticas graves no espermatozoide.

São muitos os problemas de fertilidade possíveis, mas também são diversas as soluções. Assim, lembre-se de que o teste de fertilidade masculina é apenas um meio preliminar de diagnóstico. A visita ao médico é fundamental.

Open chat
💬 Precisando de ajuda?
Olá👋Como posso te ajudar?