Ultrassom Transvaginal

Ultrassom Transvaginal

É um exame rotineiro na avaliação ginecológica e obstétrica, que possibilita a visualização do aparelho reprodutor da mulher: útero, ovários e tubas uterinas (trompas). Ele é usado para confirmar a normalidade destes órgãos e diagnosticar doenças ginecológicas e obstétricas como: miomas, endometriose, adenomiose, pólipos endometriais, tumores ovarianos, hidrossalpinge, gravidez nas trompas, aborto, entre outras. Também pode ser utilizado para determinar a periodicidade da ovulação na mulher. Por isso, ele é essencial na avaliação inicial das pacientes e condução dos tratamentos em reprodução assistida.

 


 

Ele será realizado em quase todas as etapas dos procedimentos envolvendo as técnicas de reprodução, que vai desde a investigação inicial da paciente, durante o tratamento: indução da ovulação, captação dos óvulos e no final para a confirmação da gravidez.

No período da estimulação ovariana, o médico utiliza o ultrassom transvaginal para o acompanhamento do crescimento dos folículos e o controle é realizado com intervalos de dois a três dias. O desenvolvimento folicular demonstra a resposta ao tratamento hormonal receitado. Este controle é importante para determinar o momento ideal da captação do óvulo, que está dentro do folículo.

Esta observação é importante; o folículo é um tipo de cápsula que abriga o óvulo durante o tempo em que amadurece. Nas imagens ultrassonográficas, não conseguimos ver o óvulo, somente o folículo.

Na fertilização in vitro, após a estimulação ovariana, chega o momento da captação dos óvulos. Esta etapa é realizada através do auxílio do ultrassom transvaginal, que mostra como estes folículo estão posicionados no ovário e guia a introdução da agulha de aspiração folicular, afim de captar os óvulos que estão dentro dos folículos.

Como ocorre o exame

O exame é simples, o médico insere uma sonda ultrassonográfica, pela vagina da mulher, protegida por um preservativo e gel lubrificante. É através deste instrumento, que o especialista obtém as imagens do aparelho reprodutor feminino.

A grande vantagem desta via de acesso é a proximidade da ponta da sonda ultrassonográfica com os órgãos da pelve feminina, proporcionando uma melhor definição das imagens captadas. Durante o exame são realizados movimentos com a sonda para mapear os órgãos da pelve. A depender da variação da posição destes órgãos ou doença associada a paciente, será necessário imprimir uma pressão maior, podendo ocasionar desconforto na paciente

O período para a realização do ultrassom transvaginal, dependerá da sua indicação. Em algumas situações, será realizado no período menstrual. Isto ocorre, porque o tratamento de reprodução assistida inicia-se nos primeiros dias do ciclo menstrual. Já na rotina ginecológica, na maior parte das vezes, a indicação é inversa. A paciente realizará o exame após o término do ciclo.

Tem relevante utilidade para controle clínico das gestações, pois a sonda não tem em nenhum momento contato com feto e não emite nenhuma irradiação nociva, sendo assim, não há possibilidade de prejudicar o mesmo. Tal exame possibilita controle do desenvolvimento do feto e por não se tratar de técnica invasiva, pode ser feito tantas vezes for necessário.

Dr. Fábio Sakae Kuteken
(Membro do Grupo GERA em São Paulo, Mestre em ginecologia pela Santa Casa de São Paulo).

Em caso de dúvidas, consulte o seu ginecologista ou entre em contato conosco.

Notícias Relacionadas

Agende uma conversa